ARTIGOS

DesconfinadaMente 1

A maior experiência psicológica da história” (Elke Van Hoof), assim é definido o confinamento. Um terço do mundo tem sido confinado, circunscrito, limitado, num clima de tensão e incerteza devido a uma pandemia da qual o que sabemos não é muito. O cenário torna-se mais negro quando consideramos o impacto que a situação tem globalmente na nossa sociedade e a saúde mental é neste momento uma das vertentes mais frágeis. Em contexto clínico verifico o aumento de casos de ansiedade, depressão, conflitos familiares, divórcios… perdemos a nossa normalidade e com ela, vamo-nos perdendo também.
Mas já dizia Peale que o segredo da vida não é o que nos acontece mas sim o que fazemos com o que nos acontece. Por isso mesmo, podemos intervir e minorar o impacto da música que neste momento toca lá fora e quem sabe, aprender uma nova dança 😉

Assim sendo, os próximos passos vão ajudá-lo(a) a gerir esta etapa da vida de todos nós. Sendo eles:

1) Aceitar a tristeza, a frustração e a solidão
Há dias melhores, outros nem tanto. Aceitar isso é um passo importante na compreensão da nossa condição humana pelo que, querer estar sempre bem é uma utopia. A saúde mental assenta na gestão das emoções “más” e não na ausência das mesmas, contudo, caso persistam, é aconselhável procurar ajuda especializada.

2) Manter uma rotina feliz
A pandemia obriga a mudarmos os nossos hábitos, então o foco não deve incidir na lamuria do que mudou, mas sim, na criação de uma nova rotina prazerosa e adaptada às circunstâncias.

3) Manter o contacto social
É imprescindível socializarmos e neste momento de incerteza é mais importante que nunca. Apesar de não ser possível estarmos juntos fisicamente, podemos criar alternativas como usar as tecnologias para entrar em contacto com amigos, familiares através de, por exemplo, jantares em conjunto por videochamada, longas conversas por telefone, partilha de momentos do quotidiano através de mensagens e fotografias… Vamos dar largas à imaginação!

4) Cuidar da casa
Agora que estamos mais tempo em casa, o ambiente da mesma tem uma influência direta no modo como nos sentimos, pelo que deverá investir para se sentir confortável e feliz no espaço onde habita. Mantê-lo arrumadinho ou mudar a decoração podem ser boas opções. Caso trabalhe a partir de casa, será igualmente benéfico criar uma zona de trabalho separada e, se possível longe, da zona de relaxamento.

5) Limitar o acesso a informação
Diariamente somos invadidos por notícias e dados sobre a pandemia através de múltiplos canais informativos. Grande parte da informação é transmitida de forma sensacionalista imprimindo medo nos espetadores/leitores. Deste modo, é sim importante manter-se informado(a) mas com moderação, sem dedicar demasiado tempo de exposição a informação que acaba por tornar-se repetitiva e nociva especialmente à noite e durante as refeições.

6) Desporto, alimentação, sono
São fortes pilares da saúde física e mental que devem ser mantidos com especial rigor nesta fase. Passando mais tempo em casa, a tendência será diminuir o exercício físico e consumirmos mais alimentos reconfortantes ricos em gordura e açúcar. Estes hábitos produzem efeitos nefastos no nosso organismo devendo por isso ser contrariados.

7) Pensamento positivo
Para estar bem é preciso querer e o pensamento positivo é o alicerce fundamental. Por isso, escolha olhar para a situação de modo a contemplar com gratidão o que ocorre de bom na sua vida recordando também que esta é uma oportunidade de crescimento pessoal para todos nós. Poderá ser útil efetuar diariamente, ao acordar ou antes de dormir, uma lista mental de aspetos na sua vida pelos quais está grato(a).

Ficará surpreendido(a) com o impacto que esta, e todas as outras praticas mencionadas, terão na sua vida!

Partilhe em:

Share via
Copy link
Powered by Social Snap